Seja bem-vinda a DKT Salú!

TelefoneSeu portal de saúde feminina

Não consigo engravidar e agora?!

Não consigo engravidar e agora?!

A gestação é um processo único, natural, e compreende um dos momentos mais importantes e transformadores na vida de um casal.

No entanto, progressivamente, ao longo dos anos, a quantidade e a qualidade dos óvulos da mulher diminuem, e consequentemente, o tempo para engravidar naturalmente, varia com a idade. Dessa forma, caso uma dificuldade apareça, não se deve adiar a procura por um profissional especialista em reprodução humana.

Quando se preocupar se está demorando demais?

Mulheres com idade de até 35 anos possuem a expectativa de conseguir engravidar dentro de 1 ano. Entretanto, não engravidar após 1 ano de relações sexuais regulares sem uso de contraceptivos, é um sinal de alerta.

O tempo de espera de uma gravidez espontânea para as mulheres de 35 a 38 anos passa a ser de seis meses. Dos 39 aos 40 anos, a espera é de quatro meses; dos 40 aos 43, três meses; e para as mulheres a partir dos 44 anos que querem engravidar, é de apenas dois meses.

A infertilidade é uma condição comum que afeta, em geral, um a cada seis casais. Contudo, para avaliar as causas é necessário que, tanto o homem quanto a mulher, realizem uma série de exames e testes que indicarão o motivo pelo qual o casal não consegue engravidar.

Quando nos deparamos com quadros como falta de ovulação, obstrução das trompas, endometriose, aborto de repetição, idade materna avançada, baixa reserva ovariana, alteração na quantidade e qualidade dos espermatozoides ou até mesmo nos casos que não achamos a causa, está indicado um tratamento de reprodução assistida.

A reprodução assistida é o nome dado aos procedimentos realizados por médicos e clínicas especializadas para tratar casos de infertilidade.

Confira os principais tratamentos de reprodução assistida:

  • Coito ou namoro programado

Este procedimento é a opção ideal para mulheres que possuem trompas normais, o parceiro tem sêmen normal, mas a mulher não ovula. Como grande exemplo temos a síndrome dos ovários policísticos. Nesse caso, é necessário acompanhar o ciclo menstrual da mulher, monitorando a ovulação através de exames de ultrassom e dosagens dos níveis de hormônios. Assim, no período, a orientação é que o casal tenha relações sexuais com mais frequência ou pode ter ajuda de medicação para ovular.

  • Inseminação artificial

Nesse método, se introduzem os espermatozoides diretamente no útero, tornando a viagem “mais curta” e permitindo que apenas aqueles com melhor qualidade cheguem à cavidade uterina e entrem na trompa para encontrar o óvulo a ser fecundado.

Dessa maneira, ele é melhor indicado para alterações leves dos espermatozoides e quando a mulher tem pelo menos 1 trompa saudável.

  • Fertilização in vitro (FIV)

A FIV é um tratamento de alta complexidade que fertiliza os óvulos em um laboratório especializado, para depois transferir os embriões para o útero materno. Por isso, é um tratamento seguro e que apresenta melhores taxas de sucesso.

Caso você esteja tentando engravidar, e apresente dificuldade, não espere para conversar com um especialista na área. A reprodução humana pode tornar o sonho da maternidade uma realidade.

Dra. Camille Rocha Risegato

Ginecologista e Obstetra | CRM 119093-SP

Nossos Produtos
Andalan Day
Conheça nosso blog

Conheça nosso blog

Uso de DIU e prevenção combinada: entenda a importância

Uso de DIU e prevenção combinada: entenda a importância

É importante que mulheres que possuem DIU se atentem ao fato de que o dispositivo, seja ele de cobre ou hormonal, é altamente eficaz na prevenção de gravidez, mas é importante destacar que nenhum DIU oferecerá proteção quanto à prevenção de...
Planejamento Familiar e Transexualidade

Planejamento Familiar e Transexualidade

Toda pessoa em idade fértil e com vida sexual ativa precisa de informações sobre as chances de ocorrência de gravidez espontânea, independentemente de sua identidade de gênero e orientação sexual.
Como é colocado o DIU?

Como é colocado o DIU?

Saiba mais sobre como funciona a inserção do DIU e quais os aspectos importantes tanto para você que deseja o DIU hormonal quanto o não hormonal.